quarta-feira, 13 de abril de 2011

Playa Girón: um degrau superior nas agressões contra Cuba

por Bianka de Jesus / Prensa Latina

Havana - A invasão organizada por Estados Unidos à Playa Girón, na ocidental província de Matanzas, constituiu há 50 anos um degrau superior no acúmulo de ações hostis para destruir a Revolução cubana.

Os atos criminosos planificados do solo norte-americano tinham incluído a explosão do vapor La Coubre, um barco francês que transportava armas e munições, em 4 de março de 1960 no porto de Havana.

O povo, junto a polícias e bombeiros, prestava ajuda para resgatar aos feridos, quando uma segunda explosão surpreendeu e terminou com a vida daqueles que tiveram esse gesto solidário.

Especialistas ressaltaram que as explosões provocaram centenas de mortos e feridos, enquanto os cubanos denunciam como objetivo dessa agressão a desestabilização do processo iniciado na ilha em 1 de janeiro de 1959. Também nos primeiros anos da nascente Revolução, Estados Unidos impôs à nação caribenha uma série de medidas punitivas entre as que sobressai o bloqueio econômico, comercial e financeiro contra a ilha.


De acordo com o mais recente relatório do arquipélago à Assembleia Geral de Nações Unidas sobre a necessidade de pôr fim a essa política, os prejuízos desse cerco que ainda continua se estimam em 751 mil 363 milhões de dólares.

Ainda que para 1961 as agressões de Washington implicavam ademais a queima-a de canaviais, a incursão em águas cubanas de embarcações piratas e a morte de seres humanos, nunca se tinha levado a cabo uma operação de caráter brutamente militar.

Em 15 de abril aeronaves dos Estados Unidos com insígnias da nação caribenha atacaram os aeroportos de San Antonio de los Baños e Ciudad Libertad nas antigas províncias habaneiras, e de Santiago de Cuba, nesse território oriental.

No dia seguinte, durante a cerimônia que rendeu tributo às vítimas, o líder da Revolução, Fidel Castro, declarou o caráter socialista do processo, ao mesmo tempo que alertou sobre uma iminente agressão armada.

Os invasores, treinados pela norte-americana Agência Central de Inteligência, penetraram por Playa Girón e foram derrotados em menos de 72 horas pelas recém criadas Milícias Nacionais Revolucionárias, tropas da Polícia e do Exército Rebelde.

O sucesso do povo da ilha em Playa Girón, o mais alto expoente então da hostilidade norte-americana para Cuba, passou à história como a primeira grande derrota dos Estados Unidos na América Latina.

2 comentários:

  1. Camaradas do SOLIDÀRIOS

    Há muito tempo já aprendemos que esta é uma das grandes trincheiras da blogosfera na defesa intransigente da democracia e dos valores humanistas presentes na revolução cubana em sua luta universal pela justiça social.
    Por essa razão tornamos esta pagina objeto de consulta diária obrigatória, de onde extraímos material para repostamento aos nossos leitores, em especial da nossa região, Amazônica, a qual pertencemos.
    Proponho que tornemo-nos publicações co-irmãs e honrado ficarei em ter o meu Blog MILITANCIAVIVA, lincado na vossa relação de blogs Solidários.

    Saudações socialistas, com um forte abraço!

    Eduardo Bueres Blog MILITANCIAVIVA Belém do Pará, Amazônia - Brasil

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, companheiro, pelos elogios e iniciativa.
    Já adicionamos o blog Militância Viva em nossos favoritos!

    saudações solidárias ...

    Alexandre, ACJM-SC

    ResponderExcluir