terça-feira, 10 de maio de 2022

Cuba faz ensaios clínicos para iniciar vacinação contra covid-19 em crianças menores de 2 anos

 A ilha socialista foi o primeiro país do mundo a vacinar crianças de 2 a 11 anos contra Covid-19 | Foto: Portal Cuba

Por Michele de Mello no Brasil de Fato 

Cuba inicia testes clínicos com crianças entre um e dois anos, nas províncias de Camaguey e Cienfuegos, com suas fórmulas Soberana 02 e Soberana Plus de imunizantes contra a covid-19. Os testes foram aprovados pelo Centro para Controle Estatal de Medicamentos Equipamentos e Dipositivos Mécicos (Cecmed) — a agência de regulação sanitária nacional. 

A ilha foi o primeiro país do mundo a vacinar crianças de 2 a 11 anos contra o vírus Sars-cov2 e o primeiro país da região a criar um imunizante próprio contra a doença.

Até o momento, 1,8 milhão de crianças entre dois e 11 anos foram vacinadas e tiveram uma boa resposta imune, "mostrando a segurança desses imunizantes", afirmou a diretora de pesquisas do Instituto Finlay de Vacinas, Dagmar García. 

Os imunizados representam 97% das crianças cubanas. Foram aplicadas 3,4 milhões de doses da Soberana 02 e 1,8 milhão de doses da Soberana Plus, segundo dados oficiais. O país não registrou nenhuma morte infantil por coronavírus após o início da vacinação pediátrica.

"A potência, a resposta imune nas células T e a imunidade de longa duração, assim como a indução de memória, é muito positiva", acrescentou García.

Os testes clínicos serão divididos em três grupos etários: bebês com zero a seis meses, de seis meses a 11 meses, e outro grupo de um até dois anos. 

Chamado "Soberana Chiquitines" (Soberana Pequeninos), o novo ensaio irá afetar 3% da população cubana. O Instituto Finlay de Vacinas estima que mais de 69 mil infecções pediátricas foram evitadas durante a última onda de contágios pela variante Ômicron por conta da campanha de vacinação iniciada em setembro do ano passado.

O índice de risco relativo entre não vacinados e pessoas imunizadas é de 3,9 segundo os estudos, portanto uma pessoa não vacinada tem quase quatro vezes mais chances de se contaminar. 

"Acumulamos informação de segurança e efeitos em mais de 218 mil crianças cubanas. Também contamos com informação de mais de 4 milhões [de doses] aplicadas na Nicarágua e na Venezuela", informou a diretora do Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia de Cuba (CIGB), Verena Muzio. 

As autoridades sanitárias cubanas também decidiram iniciar a vacinação de reforço em crianças de 12 a 18 anos, após identificar que há uma redução dos anticorpos nessa comunidade etária após seis meses da imunização. Segundo o Ministério de Saúde Pública, em cinco dias, 50% dos adolescentes já receberam a dose de reforço. 

México contrata médicos cubanos e compra vacina anti-covid de Cuba

Médicos deixam Cuba para combater a Covid-19 na Itália em 2020 | Foto: Agência Sana

Por Michele de Mello no Brasil de Fato

Cuba e México assinaram novos acordos para aumentar o comércio bilateral, assim como a cooperação em matéria de saúde e cultura. Nesta segunda-feira (9), os dois chefes de Estado divulgaram uma declaração conjunta, que prevê a contratação de 500 médicos cubanos para atender as zonas mais vulneráveis do México, o envio de profissionais mexicanos para especializações na ilha caribenha e a importação de vacinas contra a covid-19 para aplicar em crianças e adolescentes.

"Devemos olhar para o sul e não dar as costas para os países da nossa América", disse o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, em Havana. As relações bilaterais entre Cuba e México datam de 1902.

Cuba foi o primeiro país da América Latina a desenvolver um imunizante contra a infecção gerada pelo vírus sars-cov2, chegando a cinco fórmulas diferentes, duas delas - Soberana 02 e Abdala - utilizadas nas campanhas de vacinação nacional. 

"Vamos aproveitar as potencialidades sanitárias científicas, realizar esforços conjuntos que permitam desenvolver este campo em benefício dos nossos povos", declarou o presidente cubano. 

No Palácio da Revolução, Díaz-Canel entregou a ordem José Marti a AMLO, a máxima honraria do governo cubano. "As relações entre Cuba e México são históricas e inseparáveis".

O mandatário mexicano voltou a criticar os Estados Unidos pela aplicação do bloqueio contra Cuba e pela possibilidade de excluir as autoridades cubanas da próxima Cúpula das Américas, que será realizada em junho, em Los Angeles, nos EUA. 

"É tempo de expressar e explorar outra opção: de dialogar com os governantes estadunidenses e convencê-los de que uma nova relação entre os países da América é possível", defendeu AMLO.

Em 2019, a balança comercial Cuba-México foi de US$ 277,2 milhões favorável aos mexicanos, exportando produtos alimentícios, alumínio e outros manufaturas para a ilha, enquanto as importações são majoritariamente de ferro, aço e rum cubano.

quarta-feira, 4 de maio de 2022

Cuba: não há moradores de rua, só povo nas ruas!

Folha de São Paulo deveria se surpreender com resiliência de Cuba, afirma Cônsul cubano | Foto: Cuba Debate

Por Pedro Monzón na Folha de São Paulo 

Em 25 de abril foi publicada na Folha uma reportagem superficial sobre Cuba que, espero, seja apenas resultado de ignorância. Não é estranho, desde o triunfo da Revolução em 1959, que Cuba seja alvo de uma chuva de fake news. A intenção é promover uma imagem virtual negativa do país. O grande pecado que Cuba cometeu foi conquistar, pela primeira vez, a verdadeira independência e começar a edificar um país beneficiado por mudanças muito profundas. Por isso se converteu em um péssimo exemplo.

Daí a perseguição implacável por mais de 60 anos, com frequentes agressões e um cruel bloqueio econômico, comercial e financeiro, que ocasionaram perdas superiores a US$ 1 trilhão, justificados com muitos argumentos falsos. As votações da imensa maioria dos membros da ONU contra o bloqueio por 29 anos consecutivos não provocaram nenhuma mudança nessa política dos EUA.

É impossível qualificar Cuba sem considerar o que representou para os cubanos os danos causados pela agressividade da maior potência do planeta. Porém, apesar desses grandes obstáculos, Cuba exibe conquistas que a distinguem mundialmente. A educação é gratuita, razão pela qual toda a população tem alto nível educacional; o sistema público de saúde têm alto nível profissional, abrange todos os cantos do país e permitiu que Cuba ajudasse muitos países do mundo com centenas de milhares de médicos; graças ao desenvolvimento da ciência, o país imunizou contra a Covid, com vacinas próprias, mais de 97% da população, incluindo todas as crianças; uma política de segurança social beneficiou toda população; ninguém passa fome nem morre de fome; não existem moradores de rua.

O Unicef considera que Cuba demonstra alto nível de proteção e desenvolvimento às crianças e aos adolescentes; o tráfico e o consumo de drogas não representam problemas; desapareceu estrutural e legalmente a discriminação por raça ou gênero. O indicador de expectativa de vida está entre os mais elevados do mundo, e o de mortalidade infantil, entre os mais baixos. Cuba é considerado um país com IDH alto e cumpriu grande parte dos Objetivos do Milênio, segundo o Conselho de Direitos Humanos.

Cuba é um dos países mais seguros do mundo, e a delinquência é mínima. A estabilidade política e social é outro atributo do país. Em 60 anos, destacam-se apenas duas manifestações de descontentamento, muito manipuladas internacionalmente, uma em 1994 e outra (27 anos depois!) em 2021, provocadas no marco de situações internacionais complexas e em momentos nos quais o bloqueio foi reforçado.

terça-feira, 3 de maio de 2022

1º de Maio: milhões lotam ruas de Cuba em defesa do socialismo

Multidão em Havana no dia 1º de maio | Foto: Brasil de Fato

Por Sturt Silva e Maria Lívia 

“Por Cuba, Unidade e Compromisso” , “Cuba Vencerá”, “Preservar e aperfeiçoar o socialismo” e “Viva o 1º de Maio”, eram as mensagens escritas nas inúmeras faixas e cartazes que invadiram as ruas das principais cidades cubanas no último 1º de Maio, dia do trabalhador.  

O ápice da festa aconteceu em Havana, capital da ilha socialista, no momento em que a multidão cantou A Internacional [Comunista] - Hino Universal dos Trabalhadores, onde reafirmaram o comprometimento com a Revolução e o sistema socialista,  adotado democraticamente pela maioria da população.

O ex-presidente Raúl Castro e o Presidente da República, Miguel Díaz-Canel, marcaram presença em Havana. Já os outros líderes políticos do país participaram de atos nas grandes cidades, pelo interior do país. 

domingo, 24 de abril de 2022

Rifa solidária sorteia viagem a Cuba

Ajude o povo cubano e concorra a prêmios | Arte: MBSC

 Por Sturt Silva 

O Movimento Brasileiro de Solidariedade a Cuba (MBSC), a Câmara Empresarial Brasil-Cuba e a Associação de Cubanos Residentes no Brasil lançaram uma campanha para arrecadar fundos para ajudar o Hospital 10 de Outubro, casa de saúde cubana especializada no tratamento das vítimas da Covid.

Para participar o interessado deve entrar no link abaixo e comprar uma rifa. O sorteio será realizado no dia 26 de julho de 2022, dia da rebeldia cubana. Dessa forma, além do gesto solidário com o povo cubano, o doador estará concorrendo aos seguintes prêmios:  

1° Prêmio: duas passagens aéreas São Paulo-Havana-São Paulo. (Ou 60% do valor das passagens).  
2° Prêmio: uma garrafa de Rum Santiago de Cuba Añejo. 
3° Prêmio: uma garrafa de Rum Santiago de Cuba Añejo. 
4° Prêmio um boné com estrela e bandeira de Cuba. 
5° Prêmio: um CD José Martí em Canto.

Compre sua rifa aqui.

Assista ao vídeo de Ricardo Haesbaert, um dos organizadores da campanha:

sábado, 16 de abril de 2022

1º de Maio: brasileiros visitarão Cuba

Manifestação do povo cubano em defesa do socialismo | Foto: Cinthia Ribas/CTC

Por Sturt Silva 

No último dia 8 de abril, o Cônsul de Cuba no Brasil, Embaixador Pedro Monzon, reuniu, no Rio de Janeiro, com brasileiros que visitarão Cuba nos próximos dias. 

Trata-se de integrantes cariocas da Brigada Primeiro de Maio - edição 2022, que também participarão das festividades do Dia do Trabalhador em Havana.. 

No encontro, além de reafirmar a luta contra o bloqueio dos EUA à ilha socialista, o diplomata cubano falou sobre o controle da pandemia da Covid no país, a eficiência das vacinas nacionais e a tranquilidade do dia-dia da sociedade cubana. Além disso, foram feitas referências sobre a importância dos movimentos de solidariedade com Cuba e das lutas dos trabalhadores. 

Brasileiros amigos de Cuba: Foto: Pedro Monzon

terça-feira, 29 de março de 2022

Medalha de Inventores para criadores das vacinas cubanas Anti-Covid-19

Grupo dos principais criadores das vacinas | Foto: Cuba Debate

Por Maria Lívia

Os criadores das vacinas cubanas anti-Covid-19 Soberana 01, Soberana 02, Abdala e Mambisa, receberam ontem (28) a Medalha de Ouro para Inventores conferida pela Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI), numa cerimônia onde estiveram presentes o primeiro secretário do Partido Comunista de Cuba e presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez e Daren Tang, diretor geral da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI).

Daren Tang, diretor-geral da OMPI e o Presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez | Foto: Cuba Debate
Segundo informado pela diretora geral do Escritório Cubano de Propriedade Industrial, María de los Ángeles Sánchez, é uma homenagem aos cientistas por suas colaborações ao desenvolvimento econômico e tecnológico do país:

"A entrega da medalha da OMPI e o reconhecimento do mérito de seus inventores não é um evento isolado ou casual. Este é o décimo terceiro reconhecimento que a OMPI, por proposta do Escritório de Propriedade Industrial de Cuba (OCPI), concede à invenções cubanas de alto impacto para o país e para o mundo”, enfatizou María de los Ángeles Sánchez Torres. , Mestre em Ciências e diretora geral do Escritório da Propriedade Industrial de Cuba.

A ilha caribenha já recebeu a medalha por exemplo pelo medicamento Heberprot-P, do Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia (CIGB), e pela criação denominada como Anticorpos monoclonais anti-CD6, para o tratamento e diagnóstico de Psoríase, do Centro de Imunologia Molecular.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2022

Nenhum cubano morre de fome, afirma diplomata

Mercado em Cuba | Foto: José Manuel Correa/Granma 

Por Pedro Monzon na Folha de São Paulo 

A resposta à pergunta do título deste artigo [1], que deveria ser óbvia, tem caráter relativo. Refiro-me às diferenças que meios de comunicação fundamentais e certas redes sociais estabelecem entre as "realidades" virtuais e as objetivas. De acordo com o comportamento de boa parte desses meios de comunicação, Cuba, às vezes, existe; já outras, não.

Tudo depende da filiação da fonte. Para a mídia que segue os roteiros normalmente gerados nos EUA, um país que faz uso de uma infinidade de recursos para tentar justificar o bloqueio comercial, econômico e financeiro exercido contra nosso país por mais de 60 anos, Cuba só existe na medida em que é um exemplo de tudo o que é ruim, de ausência de democracia e de direitos humanos.

Devido à oposição pela imensa maioria do planeta a semelhante ataque contra Cuba, os EUA consideram imprescindíveis esses falsos argumentos na tentativa de reverter tal rechaço.

Por essa razão, chovem fake news, construídas sem nenhum pudor, que se repetem ao infinito e acusam Cuba de reprimir o povo e limitar seu direito à livre expressão. Sobre essas falsas bases, chegou-se a proferir ameaças de invasão e medidas asfixiantes que são cada vez mais impostas, incrementando as aplicadas durante o mandato do ex-presidente Donald Trump para aprofundar o bloqueio. Entretanto ataques do tipo estão completamente ausentes quando se trata de governos aliados, onde certamente estão sendo cometidas múltiplas injustiças. A parcialidade é deliberada.

Para projetar essa imagem sombria, Cuba, aí sim, existe. O mesmo não acontece, contudo, quando o objetivo é refletir êxitos reconhecidos em muitos campos. Nesses casos, Cuba não existe.