sábado, 13 de abril de 2019

Vilma Espín: exemplo de liderança feminista

Vilma Espín, a guerrilheira da Serra Maestra
Por Yenia Silva Correa no Granma 

Para as gerações mais jovens a figura de Vilma Espín (7 de abril, 1930-18 de junho, 2007) é associada à Federação das Mulheres Cubanas (FMC), mas a destacada revolucionária transcendeu esse espaço de entrega. Basta apenas ler As lutas de Vilma, uma Reflexão que escreveu o Comandante-em-chefe após a morte da heroína da República, para descobrir uma vida dedicada à Revolução.

"O exemplo de Vilma é mais necessário hoje do que nunca. Dedicou sua vida à luta pelas mulheres, quando em Cuba a maioria das mulheres eram discriminadas, como seres humanos, como o resto do mundo, com honrosas exceções revolucionárias", escreveu Fidel no artigo publicado em junho de 2007.

Nos anos de estudo na Universidade do Oriente já se vislumbrava o ativismo político que levou aquela jovem, natural de Santiago de Cuba, a participar ativamente em ações a favor da Constituição de 1940, em apoio ao movimento de independência em Porto Rico, para protestar contra a tirania e em manifestações estudantis. Ela foi uma das primeiras mulheres em Cuba a se formar como engenheira química industrial.

"Sou testemunha das lutas de Vilma, há quase meio século. Eu não vou esquecer sua presença nas reuniões do Movimento 26 de Julho na Serra Maestra. Ela acabou por ser enviada pela chefia a uma importante missão no Segundo Front Oriental. Vilma não duvidava, diante de qualquer perigo", disse Fidel em suas Reflexões.

quinta-feira, 11 de abril de 2019

Castro: Constituição que proclamamos garante a continuidade da Revolução e irrevogabilidade do socialismo

Ex-presidente de Cuba discursa durante ato de proclamação da Constituição de Cuba | Foto: Estúdios Revolução
Discurso de Raúl Castro, na Assembleia Nacional do Poder Popular, por ocasião da proclamação da Constituição de Cuba em 10 de abril de 2019.

Companheiro Esteban Lazo, presidente da Assembleia Nacional;

Companheiro Miguel Díaz-Canel, presidente da República de Cuba — agora é presidente do Conselho de Estado e Governo da República de Cuba;

Companheiras e companheiros:

É um privilégio excepcional para mim proferir as palavras centrais nesta sessão de proclamação da Constituição da República. É a segunda ocasião em que eu cumpro uma responsabilidade tão alta.

Pouco mais de 43 anos atrás, o Comandante-em-chefe da Revolução Cubana, Fidel Castro Ruz, antes de sair para o exterior, em conformidade com um compromisso internacional, me pediu para substituí-lo na cerimônia, realizada em 24 de fevereiro de 1976, para a proclamação da Constituição cuja validade termina hoje.

A data escolhida não é por acaso, há 150 anos, em 10 de abril de 1869, os mambises (lutadores pela independência) reunidos na Assembleia Constituinte, em Guáimaro, aprovaram nossa primeira Constituição, o resultado da unidade e da ordem institucional que exigia a República em armas que estava nascendo.

A liberdade e a independência do colonialismo espanhol seriam parte de seus objetivos essenciais, juntamente com o reconhecimento da igualdade entre todos os cubanos, sem favores ou privilégios.

A Constituição que estamos proclamando hoje é a continuação daquela primeira, pois salvaguarda como pilares fundamentais da nação a unidade de todos os cubanos e a independência e a soberania da pátria.

As constituições de Baraguá, Jimaguayú e La Yaya, posteriormente proclamadas em momentos diferentes do conflito insurrecional, são uma expressão contínua da tradição constitucional revolucionária de nossa história.

Assista: cerimônia da proclamação da constituição de Cuba:


Vale a pena lembrar que, apesar das campanhas vitoriosas dos mambises contra o colonialismo espanhol, não se conseguiu a verdadeira independência nacional nem o estabelecimento daquela República democrática e progressista à que aspiravam os patriotas cubanos. A vitória foi arrebatada ao nosso povo pela intervenção do imperialismo norte-americano, acerca de cujo perigo haviam alertado vários de nossos próceres, em primeiro lugar José Martí.

Em meio à ocupação militar dos Estados Unidos, foi aprovada a Constituição da República, em 1901, à qual foi imposta como um apêndice a Emenda Platt, que subordinava nossa soberania aos interesses dos Estados Unidos.

Tal como Fidel expressou, em seu Relatório Central ao 1º Congresso do Partido, em dezembro de 1975, depois da Guerra de Independência, a Cuba, "foi lhe concedida a independência formal, em 20 de maio de 1902, com as bases navais norte-americanas e com uma emenda constitucional imposta, que entre outras coisas dava aos Estados Unidos o direito de intervir em Cuba. Foi estabelecida assim em nosso país uma neocolonia ianque". (Fim da citação).

sábado, 6 de abril de 2019

Cuba anuncia previsão de voo entre São Paulo e Havana para julho

Cuba espera bater a marca de 5 milhões de turistas em 2019
Por Sturt Silva 

Segundo o site Mercados e Eventos, Cuba pretende voltar com um voo direto entre são Paulo e Havana.

O Brasil ocupa a posição de 20º no ranking de emissores de turistas para Cuba. Cerca de 42 mil brasileiros visitaram o país socialista em 2018. Para Mariano Fernández, conselheiro de Turismo de Cuba para Colômbia, Brasil, Peru e Equador, a criação de um voo direto entre as cidades de São Paulo e Havana está prevista para julho deste ano.

"Muitos turistas chegam a Havana através de conexões com Lima, Bogotá e Panamá. A criação de um voo direto vai facilitar o acesso de turistas brasileiros e o direcionamento de conteúdos de promoção turística”, explicou o cubano. 

Em julho de 2013 a empresa Cubana de Aviación tinha inaugurado um voo semanal, porém ele foi cancelado em fevereiro de 2015. As viagens de Havana para São Paulo era nas quartas-feiras, e de São Paulo para Havana, nas quintas-feiras. A companhia também tinha operado no Brasil entre os anos de 1993 e 2005.

[Atualizado no dia 09/04/19].

Leia também:

quinta-feira, 4 de abril de 2019

Foto de Fidel Castro ao lado de Lula é vendida em leilão

Lula e Fidel Castro em 1989 | Foto: Luiz Prados
Por Sturt Silva

Leilão realizado em São Paulo e João Pessoa, no último dia 3, promovido por um grupo de 43 fotógrafos, arrecadou cerca de 623.900 reais com a venda de 50 fotografias do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O dinheiro será doado para o Instituto Lula.

O evento faz parte de uma campanha que defende a liberdade de Lula. Todas as fotos foram autografadas por Lula e pelos fotógrafos, e cobrem mais de 40 anos da vida do metalúrgico que ajudou a fundar o Partido dos Trabalhadores e viria a presidir o Brasil entre os anos 2003 e 2010. Há desde registros de um jovem Lula discursando na greve do metalúrgicos no ABC Paulista, em 1979, até momentos das campanhas eleitorais e da véspera da prisão do petista. O lance mínimo no leilão era de 1.313 reais. Leia reportagem sobre o leilão aqui.

A foto (acima) de um encontro de Lula com o líder da Revolução Cubana, Fidel Castro, foi vendida por 18 mil reais. Clicada por Luiz Prados trata-se de um encontro de Lula e Fidel durante uma reunião com partidos de esquerda da América Latina, em São Paulo, no ano de 1989.

O foto mais cara do leilão foi justamente a do dia da prisão de Lula, em 7 de abril de 2018, onde o petista aparece carregado por uma multidão de apoiadores em frente do prédio do Sindicato dos Metalúrgicos em São Bernardo do Campo/São Paulo. A imagem foi feita pelo fotógrafo Paulo Pinto e vendida por 65.000 reais.

Com informações do El País, Rede Brasil Atual e site Leilão Lula Livre.

terça-feira, 2 de abril de 2019

Espírito Santo: Realizada Convenção de Solidariedade a Cuba

3ª Convenção Capixaba de Solidariedade a Cuba | Foto: Nanda Tardin
Por Sturt Silva

No último dia 29 de março foi realizado em Vitória a 3ª Convenção Capixaba de Solidariedade a Cuba.

Segundo Fernanda Tardim, coordenadora do movimento de solidariedade a Cuba no estado, o ato contou com a presença de mais de 80 pessoas, entre eles: o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal - Helder Salomão (PT), deputados, vereadores, lideranças sindicais, sociais, estudantis e comunitárias.

O encontro, que foi a etapa estadual da XXIV Convenção Nacional de Solidariedade a Cuba, a se realizar em junho na cidade de Santos/SP, elegeu 25 delegados. 

A convenção decidiu realizar ainda 3 novos eventos, em forma de cinema e roda de conversa, para os meses de abril, maio, junho. Além de um estudo em grupo sobre a nova Constituição de Cuba.

Cuba foi representada de forma oficial pelos cônsules: Pedro Monzon Barata (Geral) e Antonio Mata Salas (Imprensa).

Convenção Nacional de Solidariedade a Cuba será em junho

Convenção Nacional de Solidariedade a Cuba - 19 a 22 de junho em Santos/SP
A XXIV Convenção Nacional de Solidariedade a Cuba será entre os dias 19 e 22 de junho de 2019, em Santos/São Paulo.

Para saber mais informações curta a página oficial do evento aqui

A última convenção nacional de solidariedade a Cuba foi em 2017, na cidade de Belo Horizonte/MG

terça-feira, 26 de março de 2019

Ciclone Idai: Cuba envia mais 40 médicos para Moçambique

Mulher e seu filho num cenário de destruição após passagem do ciclone Idai em Moçambique. Foto: UNICEF/
Segundo o site Cuba Debate, o governo cubano enviou um hospital de campanha com 40 médicos e outros profissionais de saúde para Moçambique. A brigada médica se juntará a outros médicos cubanos que já prestam atendimento no país.

Desde que a nação africana foi atingida pelo ciclone tropical Idai, no último dia 14, Cuba deslocou 36 médicos paras os lugares mais afetados. No total, Cuba tem atualmente cerca de 270 profissionais de saúde trabalhando no país de forma permanente.

Além de Moçambique, o ciclone também passou por Zimbábue e Malauí e já matou quase 700 pessoas.

terça-feira, 5 de março de 2019

Revolução Cubana é homenageada no carnaval

Líderes da Revolução Cubana foram homenageados por tradicional bloco de Salvador | Fotos: Bloco do Galo
Por Surt Silva 

O Bloco do Galo, que está comemorando 10 anos, homenageou os 60 anos da Revolução Cubana no carnaval deste ano.

O desfile que foi na segunda-feira de Carnaval, desfilou pelas ruas de Salvador (Bahia), e homenageou além de personalidades cubanas, líderes populares ligados à esquerda brasileira e mundial. 

O tradicional bloco também defendeu a liberdade do ex-presidente Lula e protestou contra o governo Bolsonaro e sua escalada de retrocessos.

Patrono do bloco, deputado Marcelino Galo (PT) destaca que a irreverência e o protesto são marcas do agrupamento carnavalesco, que sempre homenageia personalidades e figuras históricas da esquerda mundial, como Frida, Mandela, Paulo Freire, Karl Marx, Lênin e Lula.
Bloco completou 10 anos e também defendeu liberdade para Lula | Foto: Bloco do Galo
Neste carnaval, personagens que foram importantes para Revolução Cubana, como Fidel Castro, Che Guevara, Raul Castro, José Martí, Juan Almeida, Celia Sanchez e Vilma Espin foram lembrados no desfile.