sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Moção de repúdio ao golpe no Paraguai




Moção de repúdio ao golpe no Paraguai

Reunidos em Florianópolis, em 09 de agosto de 2012, os signatários, em consenso, acordam sobre a seguinte moção:

Manifestamos nosso repúdio ao golpe de Estado perpetrado contra o presidente da República do Paraguai, Fernando Lugo. Por esse motivo, tornamos público nosso apoio povo paraguaio na luta por sua autodeterminação e autonomia histórica; e estamos de acordo com todas as medidas governamentais que questionam a legalidade daquele ato.

O golpe no Paraguai representa uma nova forma que o imperialismo ianque busca para subjugar as nações e os povos latino-americanos aos seus interesses e interesses de suas empresas, no caso específico do Paraguai, a Monsanto. O golpe em Honduras e as tentativas variadas na Venezuela, Bolívia e Equador, são outros exemplos desta artimanha imperialista.

Nessa forma de ingerência, os golpes são revestidos de uma suposta legalidade que nada mais é do que um puro ardil para encobrir a violação de direitos constitucionais e a ruptura da ordem democrática estabelecida.

Neste sentido foi o julgamento político do presidente Fernando Lugo, que durou menos de 36 horas, desafiando qualquer justificativa que não afronte a mais basilar compreensão direito de defesa e contraditório.

Abre-se, assim, grave precedente, que ameaça a ordem democrática de toda a região, fruto de décadas de árduas lutas contra regimes ditatoriais, que custaram as vidas de milhares de pessoas.

Exigimos também do governo brasileiro a abertura e a devolução ao povo paraguaio dos Arquivos do Marechal Francisco Solano Lopez (1870), que estão no Itamaraty, e também sejam declarados “Memória da Humanidade” pela Unesco/ONU.

Reiteramos nosso repúdio ao golpe e nosso apoio incondicional ao povo paraguaio, que saberá vencer mais esta enorme batalha.

Florianópolis (Santa Catarina), 09 de agosto de 2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário