sábado, 4 de fevereiro de 2012

Uma verdade escondida da Internet!


"Veículos informativos internacionais ignoraram durante anos os esforços e a solidariedade de Cuba"
Fonte: OPERA MUNDI
    
Há vários dias, circula na Internet um infográfico que o Cubadebate divulgou em seu portal, para mostrar o apoio de muitos às mentiras expostas sobre a Ilha em meio à nova campanha midiática anti-cubana. A imagem, publicada em vários sites, foi criada em abril de 2010 pelo designer e blogueiro madrilense Francisco Arnau.

Com o título Haiti: tem quem te ajuda e tem quem te USA, Arnau colocou no seu blog Ciudad Futura e na rede social Twitter a ilustração que exterioriza o que os jornalistas Emily J. Kirk e John M. Kirk chamaram, em um artigo, um dos segredos mais bem guardados do mundo: a cooperação médica cubana no Haiti.


Os veículos informativos internacionais ignoraram durante anos os esforços e a solidariedade de Cuba. Em compensação, souberam sim dar cobertura, insuflar e tergiversar acontecimentos para satanizar a Ilha. A presença da colaboração médica durante 13 anos no Haiti é um dos esforços vítimas do silenciamento e da censura midiática arbitrária e premeditada.

Logo depois do terremoto, quando a tragédia do Haiti encabeçava as manchetes de todas as notícias, vários governos e organizações não governamentais aproveitaram a circunstância para se mostrar caridosos e ganhar pontos no protagonismo humanitário. No entanto, apesar de 744 médicos cubanos estarem trabalhando nesta terra em janeiro de 2010 — produto da colaboração iniciada em 1998, quando o furacão George arrasou o país — , a imprensa apresentava a ajuda norte-americana como a primeira na fila de respostas.

Em uma reportagem publicada em 2010, Emily J. Kirk e John M. Kirk dizem que: “A cobertura informativa da cooperação médica cubana após o devastador terremoto do Haiti foi certamente escassa. Enquanto a Fox News cantava os louvores da ajuda norte-americana na reportagem intitulada EUA encabeça a resposta global ao terremoto do Haiti, a CNN também retransmitia centenas de notícias e, de fato, uma delas girava em torno a um médico cubano ao que, no entanto, dizia ser um médico espanhol”.

Mais adiante, mencionam que em março de 2010 “o site da CNN, por exemplo, tinha 601 notícias do terremoto no Haiti, das quais somente 18 aludiam (superficialmente) à ajuda cubana. De maneira similar, o The New York Times e o The Washington Post publicaram 750 reportagens sobre o terremoto e a ajuda prestada, mas nenhuma expunha o mais mínimo detalhe da ajuda cubana. A função desempenhada pelos médicos cubanos, porém, foi na verdade extraordinariamente importante”.

Outro artigo publicado no Kaos en la red, escrito por José Manzaneda, explica que “os cooperadores da brigada médica cubana no Haiti foram a assistência sanitária mais importante ao povo haitiano durante as primeiras 72 horas após o terremoto. Esta informação foi censurada pelos grandes meios de comunicação. No dia 15 de janeiro, o jornal El País publicou um infográfico sobre a ajuda financeira e as equipes de ajuda, na qual Cuba nem sequer aparecia entre os 23 estados que deram colaboração. A rede norte-americana Fox News chegou a afirmar que Cuba é dos poucos vizinhos do Caribe que não deram ajuda.
Até Steve Clemons, que dirige um dos principais programas da New America Foundation, e é editor do blog político The Washington Note escreveu, poucos dias depois do terremoto, um artigo onde dizia que: “Cuba se converteu em um provisor nato de ajuda frente às catástrofes, com programas de assistência médica em todo o mundo”. O especialista também recomendou que os EUA deveriam reconhecer a ajuda de Cuba ao Haiti e retirar a Ilha da lista de países terroristas.

Não obstante, uma rápida busca na web sobre a ajuda de Cuba no Haiti durante o terremoto e a epidemia de cólera não traz resultados de notícias procedentes das grandes agências de notícia ou de corporações midiáticas. Nem sequer aparece quando, em abril de 2011, o ex-presidente norte-americano Bill Clinton, enviado especial da ONU ao Haiti, admitiu a importância da colaboração cubana no empobrecido país. A busca também não mostra que há mais de um ano, nenhum haitiano atendido pelos médicos cubanos morre de cólera.

No entanto, ainda que os meios de comunicação ignorem a ajuda de Cuba, o governo haitiano não fez o mesmo. Em sua visita mais recente a nosso país [Cuba], o presidente Michel Martelly agradeceu a colaboração cubana — uma das poucas que ainda permanecem e continuará no Haiti, apesar de qualquer tentativa de manipulá-la ou desconhecê-la.

*Artigo publicado originalmente no Granma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário