sábado, 20 de agosto de 2011

Projetam na Venezuela longa-metragem cubano Lisanka


Fonte: PRENSA LATINA   
  
Caracas, 19 ago (Prensa Latina) A partir de hoje as salas da Cinemateca Nacional de Venezuela apresentarão o filme cubano Lisanka, ganhadora do prêmio de Melhor Roteiro no IX Festival Internacional de Cinema Cuenca, realizado no Equador, em 2010.

  O longa esteve dirigido por Daniel Díaz, cuja trajetória inclui Jíbaro (1984), Kleines Tropicana (1997) e Se fazer o Sueco (2000), entre outros.

O cineasta também participou como assistente de direção no conhecido filme O homem de Maisinicú (1973) e esteve à frente dos quatro anos que estremeceram ao mundo e Uma ilha na corrente, pertencentes à série documental Cuba: Caminhos de Revolução, em 2004.



Segundo explicou Díaz, quem visita este país sul-americano a propósito da apresentação, a obra recreia uma história, entre uma jovem e três homens que se disputam seu amor, em Cuba, na década dos anos 1960.

Em coletiva de imprensa, na sala da Cinemateca Nacional, na capital, o diretor comentou que o filme trata de refletir de maneira contemporânea um período no qual o mundo estava em perigo de uma guerra nuclear, visto desde um pequeno povo, através das vidas quotidianas de seus habitantes.

Lisanka conta com um elenco formado por reconhecidos atores e atrizes cubanos, entre os que destacam Branca Rosa Blanco, Paula Alí, Enrique Molina, Raúl Pomares, Osvaldo Doimeadios, e Rogelio Blain.

O papel principal correspondeu a Mirielys Cejas, uma jovem que foi premiada como melhor atriz, no vigésimo Festival Ibero-americano de Cinema do Ceará, efetuado no Brasil, em 2010.

Também trabalham o venezuelano Jorge Palácios e os russos Vladislav Vetrov e Kirill Zolygin.

Sobre o longa-metragem, Palácios disse que é uma história entretida e divertida, contada com sentido de ironia e surrealismo.

mv/sc/bj

Nenhum comentário:

Postar um comentário